7 de janeiro de 2009

Paraty e Saco do Mamanguá

A Bela Paraty

Saindo de Ubatuba, tínhamos no caminho de volta ao Rio para as festa de fim de ano a nossa última parada, a bela e histórica Paraty.

Sempre ficamos impressionados com todas as belezas desse grande Brasil, que reúne características de todos os continentes, que tem uma beleza única e muito diversificada. Sempre penso que não preciso sair daqui pra conhecer as paisagens mais belas do mundo, penso que todas elas estão no meu país e Paraty é um bom exemplo disso: tem mata atlântica para todos os lados, muitas cachoeiras para se banhar, trilhas para passear, uma arquitetura colonial bem preservada e, claro, praias e mais praias de pura beleza.

Dados históricos rápidos: Paraty cresceu devido aos engenhos de cana de açúcar, chegando a ter mais de 250. No século XVIII o porto era usado para escoar das Minas Gerais pedras preciosas e ouro que eram mandados para Portugal. Com a constante ameaça de Piratas que se refugiavam em praias como Trindade, a rota de ouro mudou e a cidade passou por sérios problemas econômicos. Graças as suas belezas naturais e conservação das construções, Paraty passou a ser um ponto turístico muito procurado e hoje é ponto mais do que recomendado para qualquer viajante.

Hospedamos-nos num albergue muito charmoso e confortável e fazemos questão de falar dele aqui. A proprietária, Luciana, nos recebeu super bem, deu muitas dicas e fez a gente se sentir em casa.
O albergue fica na Rua da Lapa que é a rua principal do Centro Histórico. Fica perto do Porto de embarque para passeios de barco e facilita muito pra quem gosta de sair a noite pra jantar ou badalar. Pra quem gosta de agitação, nada melhor mesmo que ficar em um albergue, pois ali sempre temos a oportunidade de conhecer pessoas legais, com muita experiência em viagens e aventuras e com muitas histórias interessantes para contar. Realmente recomendamos a hospedagem no Don Quixote Hostel! E o preço é mais do que justo!
www.donquixotehostel.com Tel: 24 33711782

Centro Histórico

Chegando a Paraty, depois de nos instalarmos, a primeira coisa gostosa que fizemos foi passear pelo Centro Histórico. Entramos nos diversos ateliers de arte e tomei um delicioso sorvete. A cidade está cada vez mais conhecida pela movimentação cultural. Há muitos artistas locais, artesãos, teatro, música, um clima realmente agradável.

Em Paraty há várias opções de passeios: pode-se visitar cachoeiras subindo a estrada em direção à Cunha, passear de barco pelas ilhas, conhecer praias fazendo trilhas e ainda há o roteiro histórico pelos antigos engenhos nas fazendas. Existem várias operadoras de turismo e nós optamos pela PARATY ADVENTURE para o nosso passeio de barco. Foi a empresa que melhor nos atendeu melhor e o passeio de barco vale a pena pra quem quer passar um dia na tranqüilidade.
No passeio, o barco estava bem cuidado, o capitão era muito simpático e a comida servida a bordo bem gostosa. O passeio sai do porto de Paraty e segue pela tranqüila baía de águas calmas e límpidas passando por várias ilhas, ilhotas e praias. Paramos na Ilha Redonda para um mergulho com snorkel depois seguimos para a movimentada Praia Vermelha onde a escuna deu uma parada para desembarque. Almoçamos abrigados do vento atrás da ilha do Mantimento e seguimos para a praia Jurumirim onde pudemos observar a casa do famoso navegador Amyr Klink. Voltamos com aquela brisa agradável para o porto.

Passeio de escuna Paraty Adventure 24 33716175

Praia do Sono

Infelizmente o tempo ruim não estava dando muita trégua então não conseguimos explorar muitos cantos da região. João chegou a passear por Trindade pra fotografar e fez uma trilha até a praia do Sono. No mesmo dia fomos em direção à Cunha, na serra da Bocaina, até a cachoeira da Pedra Branca. Apesar do tempo um pouco frio, o banho foi super relaxante. Subindo um pouco o rio descobrimos um cantinho mágico com uma pequena queda d’água que parecia um cenário cinematográfico, ficamos mais de uma hora fotografando.
Cachoeira da Pedra Branca


No dia que a chuva parou um pouco seguimos viagem para acampar no Saco do Mamanguá, que abriga o único fiorde tropical da costa brasileira e, no seu fundo, um manguezal. Fomos de carro até Paraty-Mirim e de lá um barqueiro nos levou na praia que acampamos (na residência da família do Sr. Orlando – pessoal pra lá de especial). Logo na chegada havia algumas crianças brincando com seus barquinhos. João foi fotografá-los e disse mais uma vez ter lembrado de sua infância em Itacuruçá.


Hoje moram no Mamanguá cerca de 120 famílias caiçaras (miscigenação do índio com o negro escravo e o branco europeu) que vivem do turismo, pesca e artesanato. Sr. Orlando, nosso anfitrião caiçara, cuja família já mora lá faz quatro gerações, nos contou um pouco sobre a situação de muitos caiçaras que por ingenuidade perderam suas terras para pessoas com poder ($). Hoje estas famílias têm como vizinhos enormes mansões que nem se preocupam com a preservação ambiental e muito menos com a cultura caiçara.

João ficou fascinado pelo “seu Orlando”, ouvindo suas histórias de pescador. Disse que já pescara em todo o litoral brasileiro e que esteve em Fernando de Noronha de barco há 40 anos atrás! O contato do seu Orlando é (24) 98228035 ele tem um barco e faz o transporte a partir de Paraty ou Paraty-mirim (a combinar).

Na manhã que não choveu fizemos a trilha pra subir o morro do Pão de Açúcar, com cerca de 400 metros de altura. A vista é maravilhosa mostrando todo o Saco do Mamanguá.
Vista do Pico do Mamanguá (Pão de Açúcar)

Teríamos ficado mais tempo por lá se não fosse a chuva e a invasão dos mosquitos. Eu sabia que ia chegar o dia em que eu realmente iria entrar numa batalha com os mosquitos, só que não sabia que eu ia perder por tanto! Era aquele mosquitinho pequeno, o Maruim, que não voa muito alto mas pica que é uma beleza! Entraram mais de cinqüenta na nossa barraca e não tinha repelente que segurasse. No dia seguinte de manhã dei uma de madame e falei que queria ir embora no mesmo dia. Tinha esgotado a minha cota de bicho do mato no ano!
Voltamos para Paraty e no dia seguinte pegamos a estrada pra voltar pro Rio e festejar o fim de ano com a família.
Paraty

6 comentários:

Gabriella disse...

Olá! Adorei o blog de vcs e também fiquei louca para conhecer Mamanguá. Porém, quase não há informações na rede sobre esse paraíso...principalmente sobre estadia. Será que vc poderia me repassar o contato com esse seu Orlando? Ou outra família que aceite que eu acampe em seu terreno?
Grt
Gabriella
gsantoro@obras.rj.gov.br

Carla Paiva disse...

Adorei ver um pouco deste lugar que eu gosto tanto. Sinto falta da umidade da Costa Verde, da água do mar.

Beijos.
Cacá.

João Vianna disse...

Olá Gabriella, obrigado pelo cometário. O Mamanguá é um lugr incrível, longe do tumulto de capings lotados e você vai gostar muito do seu Orlando e sua família. Adidionei o contato dele na reportagem.
Abraço.
João Vianna

Anônimo disse...

afffffffffffff mosquito mau!!!mas que fotos lindas baby!! vcs estavam numa cidade que eu amo e que voltei a um ano e meio pra fazer a Feira Literária e me apaixonei mesmo!!!
as fotos estao lindas e Paraty é realmente tudo de bom
saudades
mummyohoh

PARATY ADVENTURE disse...

Bom dia Somos da Paraty Adventure.Agradeço os comentários positivos sobre nossa empresa.Sempre fazemos o melhor para nossos clientes e amigos.
Peço gentilmente que corrijam nosso telefone(24) 33716135 ou 33716111 / 99137875 /ID:100*72768
Grata
Alessandra J.Caetano

PARATY ADVENTURE disse...

Adoramos as fotos!
Parabéns!
Alesasndra